O compositor e cantor baiano Raul Seixas afirmava em uma de suas músicas que ele preferia ser uma ‘metamorfose ambulante’. Em verdade o ser humano é realmente um ser em contínua construção. A cada novo dia, cada nova experiência, cada novo relacionamento, nós somos transformados. Nossa sexualidade é parte inseparável desta construção.

 A idéia de uma sexualidade estática adquirida nos primeiros anos da infância e imutável é bastante questionável desde o ponto de vista das teorias mais atuais no campo da psicologia, como a Teoria Sistêmica.

Em outra perspectiva, o reducionismo fisiologicista que observamos hoje em muitos campos das ciências do comportamento e especialmente da mídia, querem nos levar a pensar que a sexualidade é algo exclusivamente sensorial e orgânico: nada mais equivocado! O principal agente construtor de nossa sexualidade é nossa mente. É através dela que somos capazes de evocar sentimentos de desejo ou repulsa, de excitação ou aversão, de amor ou ódio.

Todavia a mente humana é extremamente complexa e construída a partir de influências genéticas, ambientais, familiares, sociais, religiosas, culturais e uma infinidade de outras influências que vão moldando nossa forma de perceber a realidade. Logo a sexualidade humana é algo de uma complexidade muito grande. A redução da mesma a uma dimensão meramente fisiológica é rebaixar o ser humano de sua condição primordial de HOMO SAPIENS SAPIENS e animalizá-lo.

Assim a sexualidade humana deve ser compreendida dentro desta condição de complexidade intrínseca à mesma. Simone de Beauvoir (1980, p.301) afirmava categoricamente que “a gente não nasce mulher, torna-se mulher”[1]. Pode-se dizer o mesmo de qualquer outra expressão da sexualidade.

Acima de tudo, porém, a sexualidade precisa ser compreendida dentro da dimensão da relacionalidade. Somos seres relacionais e a sexualidade é, sem sombra de dúvidas, uma das expressões de nossos relacionamentos. O outro é que me constitui: só me torno marido diante de uma esposa!

As mudanças sociais das últimas décadas, com excessiva ênfase no individualismo, transformaram a sexualidade, de uma expressão relacional em uma expressão objetal, ou seja, ao invés do outro me constituir, torna-se um objeto para meu uso, na busca de um desfrute sensorial/fisiológico. Essa busca é sempre insaciável e neste viés surgem todas as perversões e a indústria da pornografia!

A sexualidade relacional é aquela que, muito antes da penetração genital, busca a interpenetração de ‘outros orifícios’ relacionais: a interpenetração do olhar, que atravessa o orifício da pupila e enxerga/ deixa enxergar a alma (Mateus 6:22); a interpenetração do falar, que atravessa o orifício auditivo e toca o mais profundo do ser (Provérbios 16:24) – não apenas a pele! Para estas outras interpenetrações é necessário muito tempo e diálogo fecundo. Não vai acontecer em um primeiro encontro – nestes encontros rápidos com finalidade sexual, o máximo que se obtém é o orgasmo fisiológico, e a verdadeira celebração da sexualidade é muito superior a isso.

É necessária uma nova reflexão (Romanos 12:2) sobre a sexualidade, fugindo da superficialidade de binarismos tipo (homo x hetero) que só causam discussões reativas e pouco fecundas. Pensar na sexualidade como uma construção complexa e permanentemente mutante, cujo elemento motriz é o RELACIONAL, é o desafio destas linhas!


[1] BEAUVOIR, Simone. (1980) O Segundo Sexo, vol I., tradução de Sérgio Milliet, Rio de Janeiro: Nova Fronteira

  1. Gostaria de comprar o livro. Ouvi uma palestra do Catito em Teresópolis, num reencontro de casais da Catedral Presbiteriana do Rio e gostei muito. O livro certamente deve ser muito bom.
    Agradeço se puderem me orientar como adquirir o livro, pois não consegui atraves do site da ultimato.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>