Brasília – DF, Segunda-Feira, 11 de agosto de 2008

• Consuêlo Badra

Ele é músico, goiano, mora em Brasília e há dez anos decidiu viajar pelo Brasil para seguir um projeto sonoro que resgatasse as raízes culturais do país. O resultado desse intercâmbio com artistas de outras regiões foi um misto de música regional com a moderna MPB. Com este trabalho em mãos, Carlos da Veiga Feitosa, ou simplesmente Carlinhos Veiga como é conhecido, recebeu o Prêmio BEG Natureza na categoria canção em 1995 e conseguiu gravar seu primeiro CD solo, intitulado Terra. Toda essa mistura sonora você confere amanhã no Teatro SESC Garagem da 913 Sul, às 20h. Carlinhos Veiga vai cantar músicas de seu último trabalho, Flor do Cerrado.

O disco, que foi gravado em 2007, é um convite para o ouvinte passear pelo interior do Brasil. “Se possível na garupa de Deus”, brinca Carlinhos. Cascos no chão, primeira faixa do disco, aborda temas como a liberdade do ser humano e o respeito à natureza. Trechos da música “Chicote e rifle no ar / Boiada é fácil de levar / Berrante é pra quando estourar”, revelam que o artista exalta o caráter humanitário, a estética do belo, mas não se exime de fazer críticas e denúncias sociais.

Espaços como o chão goiano e personagens como a boiada e a mulher amada se interagem nas letras do compositor, resultando em uma divertida narrativa folclórica. Os ritmos de bumba-meu-boi, pagode de viola e folia de reis também foram resgatados. “Sons que vêm desse Planalto ecoam forte dentro de mim / Pagode, sambas e choros, corrêa, recos e bandolins”, é um trecho da terceira faixa do disco e aqui Carlinhos mostra a riqueza rítmica e instrumental da música brasileira, seja ela caipira ou sulista.

Nos próximos meses, o compositor fará shows para o público do Rio de Janeiro e Salvador. No site myspace de Carlinhos, é possível acompanhar sua agenda de shows, entre eles um em Nova Iorque. “Vai ser um show especial pro Brazilian Day, um evento cultural voltado para a comunidade brasileira que mora em Nova Iorque. Vou tocar e matar a saudade dessas pessoas”, afirma.

Carlinhos também toca em Brasília. Amanhã, no Teatro do SESC. Estará acompanhado de músicos renomados como Marcus Moraes (violão e guitarra) e Leo Barbosa. E assim é a música de Veiga: dançante. Consegue ao mesmo tempo ser contemporânea e saudosista. Embora tenha por base instrumentos característicos da música regionalista como a viola caipira, a viola de choro ou o acordeom, a sonoridade traz nuances urbanos da moderna MPB.

Serviço
Show com Carlinhos Veiga, no Teatro Garagem da 913 Sul. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro SESC Garagem na 913 Sul. Classificação: Livre.

O podcast Novos Acordes #5 traz para você neste Natal duas dicas especiais de CDs: Orquestra de Aço Kerusso e SIB Macaé.

Confira agora!

No quarto podcast Novos Acordes Carlinhos Veiga apresenta o CD Das coisas boas da vida, da mineira Carol Gualberto. Confira!

O podcast Novos Acordes #3 faz hoje uma justa homenagem a um dos maiores compositores da música evangélica brasileria: Jorge Rehder.

Conheça um pouco mais sobre o CD Porto Esperança.

O podcast Novos Acordes #2 traz para você duas dicas de CDs instrumentais: Marcus Moraes e Enéias Xavier (CD Jamba)

Confira agora.

Ultimato lança hoje o podcast “Novos Acordes”, com produção e apresentação do conhecido músico e compositor Carlinhos Veiga, também colunista da revista Ultimato e responsável pela seção Novos acordes, desde a sua criação em 2004.

Confira agora sobre o CD “Em Com Outro”, dos artistas Abianto Cézar do Acordeon e Roberto Diamanso.

Livro publicado pela ONG A Rocha Brasil para o I Fórum Cristão sobre Missão Integral: Ecologia e Sociedade. Reunindo vários escritores, artistas e teólogos, o livro trata sobre a ecologia sob uma perspectiva cristã. Entre os assuntos abordados, um capítulo escrito por Carlinhos Veiga discorre sobre Arte, Ecologia e Missão da Igreja. O livro foi organizado por Paulo Roberto Borges de Brito e Solange Cristina Mazzoni-Viveiros.
Outras informações:

Ano de produção: 2006
Tipo da produção: Livro
Editado por W4 Editora