Por Daniela Xavier*

Na igreja em Thon Buri (Bangkok – Tailândia), vi uma cena que mexeu comigo. Líderes locais pediram perdão a uma senhora da igreja. Depois, duas lideranças pediram perdão entre si por divergências “intensas”.

Mas não era um pedido de palavras apenas. Aqui, culturalmente, o pedido é uma cerimônia. Eles chegam um diante do outro, pedem perdão olhando-se nos olhos e fazendo o tradicional “uai”: aquele gesto de unir as mãos, abaixando também a cabeça. Depois, oram abençoando o ofendido de joelhos. Este, por sua vez, levanta o outro e o abraça.

Depois, a comunidade canta louvores muito alegres, citando a libertação das obras e do domínio do diabo e louvam a Deus. Confesso que fiquei meio pasma com as cenas. E com a reverência do processo.

Imediatamente pensei como é difícil às vezes pronunciar “eu errei contigo, me perdoe…”. Como tratamos, em alguns casos, o perdão como uma formalidade ou como um mal necessário ao pragmatismo! Que forte ver a humilhação da confissão!

De fato, a cerimônia ali me fez lembrar uma verdade: o Evangelho humilha o pecador. O Evangelho nos joga no chão, nos quebranta e nos resgata do império das trevas!

Louvado seja Deus! Celebremos ao Senhor, que nos transportou para o Reino do filho do Seu amor! (Cl. 1:13)

 

*Daniela Xavier é missionária junto com sua família em Bangkok, Tailândia, pela Missão Kairós.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>