Livro da Semana   |   Crer é Também Pensar

 

A expressão “crer é também pensar” não significa exaltar a mente em detrimento da fé, mas de torná-la discípula de Cristo.

“Você tem certeza? Isso não vai colocar em risco a sua fé? A universidade não é algo muito perigoso para um cristão sincero?”; “Se você conseguiu entrar nessa universidade é porque você é inteligente, mas como pode uma pessoa que pensa crer nessas histórias da Bíblia?”; “Você precisa pensar menos e crer mais!”; “Tenho certeza que, quando você começar a pensar de maneira séria, aos poucos vai abandonar essas crendices primitivas sobre Deus, Jesus e a Bíblia!”

Frases como estas me foram ditas em um curto período de tempo, colocando-me numa experiência de “fogo cruzado”. De um lado, amigos da igreja preocupados com a minha possível perda da fé por ter entrado na universidade; de outro, os meus novos colegas de curso, surpresos por verem um cristão num ambiente onde imperava uma forma materialista–dialética de ver a vida e tudo mais.

Diante de tantas surpresas, passei a me questionar se minha fé em Jesus Cristo e na Bíblia, como Palavra de Deus, implicava um suicídio intelectual. Ampliei estes questionamentos me perguntando se a maneira cristã de ver a vida teria alguma contribuição para a sociedade em geral. Busquei na memória aquilo que havia aprendido da história do povo de Deus, desde os tempos do Antigo Testamento, passando pela caminhada de Jesus na Palestina, o surgimento da Igreja, chegando até as histórias das missões modernas. Esta visão panorâmica me ajudou a ver que a integração entre o crer e o pensar sempre fora fonte de permanente tensão para os cristãos, tanto em relação a Deus como em relação ao seu entorno social. Foi assim no passado e é assim em nossos dias. Continue lendo →

​Em todo o mês de julho (seis anos após a morte de John Stott – em 27 de julho de 2011) o Portal Ultimato realizará a campanha editorial Igreja viva. Ao longo das semanas, vamos publicar e disponibilizar gratuitamente um vasto conteúdo (estudos bíblicos, artigos, trechos de livros) útil para igrejas, grupos pequenos e cristãos em geral. Junto com a ABU Editora, a Ultimato reúne o maior acervo de Stott no Brasil.

Selecionamos frases ilustradas sobre a Igreja, extraídas de livros de Stott.
Você pode baixar gratuitamente e compartilhar à vontade em suas redes sociais. Aproveite!

[500 Anos da Reforma]
Por Martinho Lutero

Antes, santifiquem Cristo como Senhor em seu coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. Contudo, façam isso com mansidão e respeito. [1 Pedro 3.15-16]

Quando você for desafiado ou indagado a respeito da sua fé, não responda com arrogância. Não seja hostil ou impetuoso, como se estivesse arrancando árvores do solo. Em vez disso, responda com temor e humildade, como se estivesse diante de Deus e respondendo a ele. Se você fosse convocado perante reis e príncipes e tivesse se preparado antecipadamente com as Escrituras, você poderia pensar: “Espere; eu responderei corretamente”. Mas o Maligno tirará a espada das suas mãos e lhe dará um empurrão. Você se envergonhará e descobrirá que vestiu sua armadura em vão. Ele pode até tirar os melhores versículos das suas mãos para que você não possa usá-los, mesmo que os tenha memorizado. Deus permite que isso aconteça para reprimir a sua arrogância e para torná-lo humilde.

Assim, se você não quer que isso aconteça, você deve se dispor em temor e não confiar no seu próprio poder. Confie, em vez disso, naquilo que Cristo prometeu: “Mas quando os prenderem, não se preocupem quanto ao que dizer, ou como dizê-lo. Naquela hora lhes será dado o que dizer, pois não serão vocês que estarão falando, mas o Espírito do Pai de vocês falará por intermédio de vocês” (Mt 10.19-20). Quando você tiver de dar uma resposta, arme-se com as Escrituras. Mas não vá para casa com um espírito orgulhoso. Caso contrário, Deus tirará o versículo da sua boca e da sua memória, mesmo se você estiver armado com todos os versículos com antecedência. Portanto, é necessário cuidado. Mas se você estiver preparado, você será capaz de responder príncipes, líderes e até o próprio Diabo. Apenas certifique-se de não estar dizendo palavras humanas insignificantes, mas de dizer somente a Palavra de Deus.

Em 2017, Ultimato vai relembrar e celebrar os 500 anos da Reforma Protestante. O Blog publica, sempre às segundas-feiras, uma devocional do reformador Martinho Lutero, retirado do seu Somente a Fé – Um Ano com Lutero.

Campanha Julho 2017  |  Igreja Viva

 

Para John Stott, uma igreja viva é um sonho, uma busca.

Para ele, é preciso sonhar, antever aquilo que Deus coloca em nossos corações. E não faltam boas histórias.

Era uma vez… Um pastor que frequentemente compartilhava com a esposa o sonho de um ministério de atendimento integral aos mais pobres dos pobres em sua cidade. Ele registrou esse sonho, na verdade, uma visão. E fez mais: sabendo que entre os primeiros atendidos pelo ministério havia um senhor que fazia maquetes pediu a ajuda dele e a visão se materializou. Hoje eles podem dar graças a Deus pelo sonho que se concretizou na vida de milhares de pessoas.

No caso da Igreja isto é ainda mais necessário. É uma tarefa bíblica o sonho, a busca por uma Igreja Viva. Em julho, Ultimatoonline – seguindo os passos sugeridos por John Stott – quer incentivar não apenas sonhos, mas também oferecer ferramentas que ajudem a igreja brasileira a avançar nesta direção.

Ultimato também quer sonhar e trabalhar por uma Igreja Viva. Acompanhe os artigos com o selo da campanha e confira também algumas frases e estudos bíblicos, vídeos e textos que fazem parte da campanha IGREJA VIVA.

Livro da Semana   |   Súplicas de Um Necessitado

Ó Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador e muito instável.

 

Livra-me dos altos e baixos. Livra-me dos altos e baixos frequentes demais. Livra-me da instabilidade emocional.

Ajuda-me a consultar o passado, mas não a me acorrentar a ele. Ajuda-me a esquecer das coisas que para trás ficam e avançar para as que estão diante de mim.1 Não me deixes colecionar tristezas, nem dores, nem decepções, nem afrontas, nem amarguras. Não me deixes chorar para sempre a morte de um ente querido. Dá-me o raciocínio de Jó: “O Senhor o deu, e o Senhor o tomou; bendito seja o nome do Senhor!”2 Dá-me a capacidade de entrar na tua casa e adorar-te, mesmo depois da morte de um filho.3

Peço-te a graça de não desprezar, e muito menos supervalorizar, as emoções.

Ajuda-me a colocar a tua Palavra e a minha confiança em ti na frente das emoções. Para eu não condicionar a minha alegria e a minha disposição aos pequenos e poucos períodos de facilidade. Se eu tiver uma dor de cabeça ou uma indisposição física; se o dia amanhecer encoberto ou chuvoso; se estiver muito quente ou muito frio; se meu salário vier atrasado ou com muitos descontos — que nada disso altere o meu vigor.

Coloca-me a salvo da sensibilidade exagerada, da tristeza prolongada, da amargura doentia, da dor no íntimo, da melancolia dos românticos, da preocupação excessiva, dos nervos à flor da pele, do pavio curto e da dificuldade de perdoar — fazendo-me esquecer.

Não me deixes trazer os problemas de ontem e os problemas de amanhã e ajuntá-los todos com os problemas de hoje. Ajuda-me a não me esquecer de observar as aves do céu e os lírios do campo e a me lembrar daquela palavrinha de Jesus: “Basta a cada dia o seu próprio mal”.4

Livra-me de abrir caminho para a depressão. Seja pelos cuidados espirituais, seja pelos cuidados médicos, seja pela boa manutenção de minhas relações humanas. Não me deixes temer a depressão. Que teus braços sejam meu refúgio contra ela e que neles eu encontre a proteção da paz “que excede todo o entendimento”.5

Amém.

1. Filipenses 3.13; 2. Jó 1.21; 3. 2 Samuel 12.20; 4. Mateus 6. 25-34; 5. Filipenses 4.7.
• Trecho retirado de Súplicas de Um Necessitado, de Elben César (Editora Ultimato).

A edição 366, de julho-agosto, da revista Ultimato já chegou na casa do assinante.

E, agora, também pode ser lida online, aqui no Portal.

Na capa e no miolo, os 500 anos da Reforma Protestante.

O leitor vai encontrar as marcas da Reforma no mundo – na política, na cultura e na sociedade –; a linha do tempo, com os principais acontecimentos do período, começando em 1384, com a morte e o legado de John Wycliffe, passando por outras dezenas de datas que marcaram o movimento e os atores da Reforma, em especial a afixação das 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, por Lutero, em 1517, até a Confissão de Fé de Westminster, em 1647. Outros artigos ainda respondem o que é e por que é importante lembrar a Reforma, mostram a centralidade das Escrituras no movimento e até os aspectos negativos nos desdobramentos do ideal reformador.

Para receber a sua revista em casa e para ter acesso sem restrições às 4 edições mais recentes da revista Ultimato, assine hoje mesmo.

Boa leitura.

[500 Anos da Reforma]
Por Martinho Lutero

Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: “O justo viverá pela fé”. [Romanos 1.17]

Quando eu era monge, não consegui coisa alguma por meio de jejum e oração. Isso porque nem eu nem qualquer outro monge reconhecíamos o nosso pecado e a nossa falta de reverência a Deus. Nós não entendíamos o pecado original nem percebíamos que a incredulidade também é pecado. Acreditávamos e ensinávamos que, não importa o que as pessoas façam, elas nunca podem estar certas da bondade e da misericórdia de Deus. Como resultado, quanto mais eu corria atrás de Cristo e o procurava, mais ele se esquivava de mim.

Assim que compreendi que era apenas por intermédio da graça de Deus que eu seria iluminado e receberia vida eterna, trabalhei com empenho para entender o que Paulo diz em Romanos 1.17 – uma justiça que vem de Deus é revelada no evangelho. Procurei por muito tempo e tentei por várias vezes entendê-la. Mas as palavras em latim para “a justiça que vem de Deus” eram um obstáculo para mim. A justiça de Deus geralmente é definida como a característica pela qual ele é impecável e condena o pecador. Todos os mestres, com exceção de Agostinho, interpretavam a justiça de Deus como a ira de Deus. Assim, todas as vezes que eu lia essa passagem, eu desejava que Deus nunca tivesse revelado o evangelho. Quem poderia amar um Deus irado que nos julga e condena?

Por fim, com a ajuda do Espírito Santo, olhei mais cuidadosamente para o que o profeta Habacuque disse: “O justo viverá pela sua fé” (Hc 2.4, ARA). Desse trecho, concluí que a vida deve vir da fé. Portanto, levei o nível abstrato para o nível concreto, como costumamos dizer na escola. Relacionei o conceito de justiça a uma pessoa que se torna justa. Em outras palavras, uma pessoa torna-se justa por meio da fé. Isso abriu toda a Bíblia – até o próprio céu – para mim!

Em 2017, Ultimato vai relembrar e celebrar os 500 anos da Reforma Protestante. O Blog publica, sempre às segundas-feiras, uma devocional do reformador Martinho Lutero, retirado do seu Somente a Fé – Um Ano com Lutero.