Lá iam eles. Centenas de peregrinos seguiam mais uma vez rumo a Jerusalém. Agarrado ao pescoço do pai ia um dos muitos meninos e meninas que, na companhia da família e de outros israelitas, aprendiam a adorar a Deus.

O menino observava tudo e de tudo queria participar. Gostava mais do momento em que o grupo cantava velhos cânticos que falavam de alegria, esperança, confissão de pecado, fé, consolo, paz e da grandeza e auxílio divino. Às vezes, ele corria e se juntava ao grupo de crianças que aproveitava a caminhada para fazer coleções de pedras e gravetos, molhar os pés em algum caminhozinho d’água ou para observar um passarinho voando sob o céu azul.

O pai do menino – que tantas viagens havia feito e tantos perigos enfrentado – falava ao filho sobre verdades importantes que fora aprendendo ao longo da vida. Um dia, bem antes da viagem, enquanto aguardavam o rebanho pastar, o pai ensinava o menino a olhar para os prados cheios de capim verde e fresco e a ver quanta graça havia neles. Depois, desafiava-o a olhar para o mais distante horizonte. Lá ele veria os belos montes e o céu sem fim. O pai ensinava ao menino que o Criador e Senhor de todas as coisas, estava sempre atento e nunca abandonaria o universo nem os que confiassem nele. O menino olhava e achava bonito. O menino amava o pai e aprendia a amar a Deus. Continue lendo →

O topo do nosso primeiro boletim de março chegou cheio de arte de mulheres. São pinturas e desenhos de mulheres feitas por mulheres. Essas e outras imagens estão aqui na galeria “Elas, por elas”. Você pode assinar gratuitamente o boletim aqui. (Já recebe o Últimas? Que tal indicar e passar o link para um amigo também?)

No dia 8, quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher, vamos dedicar o portal Ultimato às mulheres. Todos os artigos destacados na home serão escritos por mulheres. Vale a pena lê-las! Vale a pena conferir a arte produzida por elas!

Na galeria “Elas, por elas”, os trabalhos são de Aline Rodrigues, Ana Cláudia Nunes, Juliana Joyce, Liz Valente, Mônica Bonilha, Pri Sathler, Silvana Bezerra, Sonia Couto e Viviane Prates. Conhece mais mulheres que ilustram mulheres no traço e na tela? Deixe a indicação aqui nos comentários pra nós!

 

Então Jesus disse em alta voz: Quem crê em mim, não crê apenas em mim, mas naquele que me enviou.
— João 12.44

Há duas maneiras de crer. A primeira delas é crer a respeito de Deus, o que significa que cremos que aquilo que é ensinado sobre Deus é realmente verdade. É semelhante a crer que aquilo que é ensinado sobre o demônio ou sobre o inferno é verdade. Esse tipo de crença é mais uma declaração de conhecimento do que uma expressão de fé.

A segunda maneira é crer em Deus. Isso inclui não apenas crer que aquilo que é ensinado sobre Deus é verdade, mas também confiar nele e atrever-se a estar em relacionamento com ele. Significa crer, sem dúvida alguma, que ele é realmente o que diz ser, e que ele fará tudo o que diz que fará. Eu não acreditaria em qualquer pessoa com essa mesma intensidade, não importando o quanto outras pessoas fossem capazes de louvá-la. É fácil acreditar que alguém é piedoso, mas outra coisa bem diferente é confiar completamente nele.

Aqueles que acreditam em Deus creem em tudo que está escrito a respeito dele nas Escrituras. Eles ousam acreditar nisso na vida e na morte. Essa fé faz deles verdadeiros cristãos e dá a eles tudo que eles desejam de Deus. Uma pessoa com um coração ruim, hipócrita, não pode ter esse tipo de fé, pois se trata de uma fé viva, como é descrita no primeiro mandamento: “Eu sou o Senhor, o teu Deus […] não terás outros deuses além de mim” (Êx 20.2-3).

Portanto, a pequena palavra em é bem colocada e deve ser observada cuidadosamente. Nós não dizemos: “Eu creio Deus Pai” ou “Eu creio sobre Deus Pai”, mas “Eu creio em Deus Pai, em Jesus Cristo, no Espírito Santo”. Somente Deus pode dar-nos esse tipo de fé.

Em 2017, Ultimato vai relembrar e celebrar os 500 anos da Reforma Protestante. O Blog publica, sempre às segundas-feiras, uma devocional do reformador Martinho Lutero, retirado do seu Somente a Fé - Um Ano com Lutero.

Por Rita Akinaga e Fernanda Matuda

Uma saiu de casa ainda criança para trabalhar em outra cidade. A outra veio do Nordeste para se casar, mesmo sem conhecer o pretendente. Tem também uma que passou a infância em hospitais, lutando por sua vida e outras tantas histórias.

São mulheres do Delinearte, um projeto de artesanato desenvolvido pela Associação Metodista Livre Agente na comunidade do Jardim São Remo (São Paulo – SP). A iniciativa começou com a ação de voluntárias da Igreja Metodista Livre da Saúde que, dispostas a ensinar o que sabiam, começaram a oferecer oficinas de pintura, crochê e outras técnicas.

No início, não se podia imaginar que, depois de cinco anos, este projeto pudesse gerar tantos frutos. Foi uma caminhada produtiva, divertida e abençoada. Além do artesanato, elas partilham aniversários, passeios pela cidade e muitos cafés, bolachas e pedidos de oração. As mulheres, em sua maioria donas de casa, têm neste espaço um grupo de amizades e também de uma pequena renda, obtida pela venda de alguns produtos em bazares organizados na igreja. Continue lendo →

[Livro da Semana]

Por Jen Pollock Michel

A discrição pode nos livrar das ambições orgulhosas. A invisibilidade pode purificar as ofertas que levamos a Deus

 

Ninguém precisa ser mãe de uma grande família para entender que as circunstâncias mais difíceis e exigentes da vida fazem parte da sábia prescrição de Deus para descobrirmos que a força dele é maior do que a nossa. Oramos melhor quando mais precisamos de Deus. […] Todos temos de nos encontrar, em algum momento, presos numa vida que não é a que queríamos ou que parece pesada demais para carregarmos, pois esse pode ser o convite mais persuasivo que receberemos para nos colocarmos de joelhos – e ansiarmos por Deus.

Se a maternidade ensinou-me sobre minha grande necessidade de Deus, ela também libertou-me da ambição de ser espetacular para Deus. Esses anos têm trabalhado continuamente para corroer algumas das minhas pretensões de chamado voltadas para o leste. “Tenham o cuidado de não praticar suas ‘obras de justiça’ diante dos outros para serem vistos por eles”, alertou Jesus. Continue lendo →

Fevereiro acabou, e com ele nossa campanha “Em tudo dai graças”. Antes de agradecer a você que nos acompanhou nessa jornada de lembrar que tanto em meio à dor quanto em meio à alegria precisamos dar graças, queremos te lembrar de que mesmo que a campanha tenha chegado ao fim e você não veja mais a hashtag #EmTudoDaiGraças pelas nossas redes, expressar gratidão ainda continua nos motivando a manter um coração grato, e inspirando outros a serem gratos também.

Postamos algumas perguntas nas nossas redes, convidando os leitores a compartilharem com a gente suas razões para serem gratos. Algumas das respostas que chegaram no nosso Instagram você pode conferir aqui:

 

 

Nos alegramos junto com a Géssica (@kinhadutra) pela tão esperada gravidez! Junto com o Paulo (@phsfarias), que está grato por seu casamento que está chegando. Junto com a Gláucia (@glauciabreves), que destacou o privilégio que é poder chamar a Deus de nosso Pai. Com a Silvia (@si_camara), que nos lembrou de que “mais um mês se passou e Deus não me abandonou”. Para terminar, a Terezinha (@moterezinha) resumiu assim: “Tuuuuuudo!”. Nós concordamos!

Todos que passam pelas suas redes são mais que arrobas na tela. Você pode fazer o download de frases e imagens que inspiram gratidão aqui, para continuar a espalhar esse movimento. Também dá para resgatar os textos da campanha aqui. Em tudo dai graças, o ano inteiro!

[500 Anos da Reforma]

Vocês sabem, lá no fundo do coração e da alma, que nenhuma das boas promessas que o Senhor, o seu Deus, lhes fez deixou de cumprir-se. Todas se cumpriram; nenhuma delas falhou.
— Josué 23.14

Os cristãos são sábios quando aceitam o que Deus planejou e perseveram em crer nas suas promessas. Elas são confiáveis e permanentes. A própria garantia do Senhor é permanente, como lemos nos Salmos: “Sim, o protetor de Israel não dormirá; ele está sempre alerta!” (Sl 121.4).

Contudo, a razão humana responde: “Isso tudo é muito bom. Até soa agradável. Mas o que estou experimentando é exatamente o oposto. Deus não apenas dorme; ele ronca! Na realidade, não há um Deus que cuida de mim ou zela por mim”. Continue lendo →