ESPECIAL – Dia das Mães
Por Gladir Cabral
Solta teu canto pelos quatro ventos
Há quem precise ouvir tua voz
Que teus poemas brotem quais rebentos
E que desatem velhos nós.
Deixa habitar teu coração
O que motiva a esperança
O que abençoa e faz andar
Sob este sol ou sobre o mar
Solta teu canto pelos quatro ventos
Há quem precise ouvir tua voz
Que teus […]

Continue lendo →

ESPECIAL – Dia das Mães
Por Wolô
Tamara
Dizem que mães superam tudo
Mas eu nunca vi nada igual
Por fora esse mundo miúdo
Por dentro uma fé capital
O olhar sempre umedecido
No rosto um sorriso sereno
Na alma um suspiro incontido
Por cima um espírito pleno
Na voz embargada e tão tensa
Amargas e doces lembranças
Em tempos de dúvida imensa
Certeza de haver esperança
Na casa por […]

Continue lendo →

ESPECIAL -Dia das Mães

Por Armindo Trevisan
Dorme, minha mãe, em meus braços
como a lua na clareira de um bosque.
Ali estou à tua espera
desde que teu ventre se aligeirou
com meu peso. Teu sono é meu sono,
povoado com os sonhos que esqueceste
no sangue. Visto-te com as folhas
dos suspiros que não nasceram.
Além de mim
te reconquisto
em cada flauta de álamo
ou […]

Continue lendo →

Pela porta do curral,
mal entra o pastor,
suas ovelhas o conhecem.
Reconhecem sua voz
quando as chama pelo nome,
e o seguem imediatamente.
Prudentemente, vai à frente
aos pastos verdejantes,
antes que tenham fome.
Se vem o lobo, não hesita,
– enfrenta e afugenta.
Se alguma se cansa,
carrega-a em seu braço;
e na hora do mormaço,
mansamente as conduz
às águas serenas.
Se há alguma “fujona”,
com sua vara a […]

Continue lendo →

A nosso pedido, Silvana Pinheiro, escritora e poetisa, autora do único livro infantil da Ultimato (já esgotado), dá seis dicas de livros para crianças, mas que, por causa da beleza literária e visual, podem ser apreciados também por adultos.
1 – Diário da Montanha. Roseana Murray, Ed. Manati, 2012.
Ao longo das últimas décadas, os poemas de […]

Continue lendo →

 
Um olhar materno sobre o crescimento do filho
 
Hoje sou eu quem quica a bola da vez, filho. À medida que ela bate no chão e volta às minhas mãos, refaço idas e vindas, ataques e defesas de um jogo que começou a dezenove janeiros atrás.
Lembro de você enterrado em uma cesta, em rede líquida e […]

Continue lendo →