Experiências de jardim
Por Marcela Cristina

Quem me acompanha sabe que sou amante dos detalhes. Amo contemplar o céu, a natureza, a criação de modo geral. Sempre fotografo paisagens que me chamam atenção e compartilho em minhas redes sociais. Em um de nossos passeios na cidade de Viçosa, MG, pelo Campus Universitário, resolvi fotografar o pôr do sol em um dos lagos do Campus. 

Era mais uma foto das várias que tenho desse local e do entardecer, ou pelo menos pensei que fosse. Só que não, rs. Minha intenção de registrar o sol se pondo captou um outro detalhe. Depois de alguns dias de tirada e até postada me peguei observando a foto novamente e um detalhe que havia passado desapercebido me encantou! Enquanto o sol se punha, ao fundo do lago temos a lua refletida. Isso mesmo, era a lua logo acima, prontinha, aguardando sua vez de brilhar. 

Meu Deus, que lindo e quanto aprendizado. Como a criação é perfeita, nos inspira e nos ensina. A lua estava prontinha no céu, ainda era dia e o sol dava seus últimos minutos de esplendor. Sim, a lua aguardava sua vez de brilhar, estava a postos, porém ainda não era o seu momento. Enquanto é dia, o sol dá o seu brilho e quando chegada a noite é a vez dela nos encantar. Sim, é o estabelecido na criação. Você se lembra? Deus fez os dois grandes luzeiros: o maior para governar o dia e o menor para regular o andamento da noite. E formou também as estrelas (Gn 1.16). 

Os dois luminares aguardam o tempo certo de dar o seu brilho e, a seu tempo, são extremamente necessários e admiráveis, como diz Eclesiastes 3: “Tudo fez Deus formoso no seu devido tempo”. 

Essa foto me fez refletir sobre o tempo certo para cada coisa, sobre aguardar e contemplar o brilho do outro aguardando minha vez de brilhar. Sobre como cada luminar no seu tempo é importante: o sol não precisa ter inveja da lua, muito menos a lua do sol. 

Nossos dias de sol são dias de lazer prazerosos e nossas noites de luar são românticas e encantadoras. Cada um possui um brilho único e indispensável. O brilho do sol é diferente do brilho da lua e isso não torna um menos importante que o outro, mas esplêndidos em seu tempo. Deus e suas perfeições! 

Que possamos aprender com o sol e a lua. Saibamos esperar nossa vez de brilhar. Não precisamos tentar roubar o brilho do outro, podemos contemplar e aguardar nossa vez de brilhar sabendo que em nosso tempo este brilho será único e também necessário quando direcionados pelo nosso criador. 

Veja 1 Coríntios 15.40-41: “Também há corpos celestiais e corpos terrestres; e, sem dúvida, uma é a glória dos celestiais, e outra, a dos terrestres. Uma é a glória do sol, outra, a glória da lua, e outra, a das estrelas; porque até entre estrela e estrela há diferenças de esplendor”.

Confia ao Senhor os seus caminhos e aguarde o tempo certo para cada acontecimento em sua vida. Temos um Deus perfeito em sua criação e isso inclui você. Sim, Ele nos criou como relatado em Gênesis nos capítulos 1 e 2 (1.26: “[…] Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”). Como não se render a um Deus tão criterioso e perfeito? 

Ainda sobre os céus, sobre a natureza, sobre os detalhes que podemos contemplar gratuitamente todos os dias, finalizo com um trecho de Salmos 19. 1-3: “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça sua voz”.

Obrigado, Pai, pelos teus ensinamentos, obrigado por esse dia em 14 de julho de 2019, às 18h. Obrigado por ter me permitido eternizar esse momento em foto.

  • Marcela Cristina dos Reis Neto Oliveira, 35 anos, Mariana, MG. Instagram: @marcela_neto.

 

O que são Experiências de Jardim?

Experiências de Jardim é um selo de iniciativa da Ultimato em parceria com o movimento Renovar Nosso Mundo. Ele acolhe textos ou imagens que nascem a partir da observação e da contemplação da criação de Deus, quando nossos olhos e ouvidos se deparam com os “ecos de Deus”, conforme lemos nos últimos versículos do capítulo 26 do livro de Jó:

 

“Com seu sopro [Deus] deu beleza aos céus […] Essas são apenas bordas do seu caminho, e dele só percebemos um frágil eco. Quem poderia compreender o estrondo do seu poder?” (Bíblia Pastoral, Paulus).

 

O selo Experiências de Jardim quer dar destaque àqueles momentos em que somos tomados por deslumbramento diante da criação e por um enorme sentimento de gratidão e louvor a Deus. Davi, autor do Salmo 19 escreve impactado por suas próprias “experiências de jardim” e convida seus leitores para que não permaneçam alheios ao espetáculo do Artista-Mor: em todos os lugares o amanhecer e o anoitecer se revezam chamando “Venham e adorem”.

Você pode conhecer outras experiências de jardim no blog do movimento Renovar Nosso Mundo, aqui.

Leia mais: 
» (In) visível
» À espera do tiê.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *