Livro da Semana | Bonhoeffer para Todos

 

Dietrich Bonhoeffer pode ter se tornado mais conhecido e famoso por causa de sua convicção de que a graça custa muito. 

“A graça que custa muito é um tesouro escondido no campo pelo qual as pessoas vão e vendem tudo o que têm com alegria […] A graça que custa muito é o evangelho que deve ser buscado repetidas vezes, o dom que deve ser pedido, a porta na qual se deve bater. Ela custa muito porque nos chama ao discipulado; é graça, porque nos chama a seguir a Jesus Cristo. Custa muito porque custa a vida das pessoas; é graça, porque, em consequência, faz as pessoas viverem. Custa muito, porque condena o pecado; é graça, porque justifica o pecador. Sobretudo, a graça custa muito, porque custou muito para Deus, porque custa para Deus a vida de seu Filho […] e porque nada que custe muito para Deus pode custar pouco para nós.”

Para Bonhoeffer, a distinção essencial entre “graça barata” e “graça que custa muito” está no fato de que a segunda reconhece a correlação entre graça e discipulado, enquanto a primeira ignora completamente essa correlação. É “pregação do perdão sem arrependimento […] [é] a Ceia do Senhor sem confissão de pecado; é absolvição sem confissão pessoal”. “Graça barata”, continua Bonhoeffer, “é graça sem discipulado, graça sem a cruz, graça sem Jesus Cristo vivo e encarnado”. É graça sem o constante reconhecimento e esperança da vida, da morte e da ressurreição de Jesus Cristo. É “graça sem a cruz”.

Bonhoeffer chegou a dizer que a graça barata é o inimigo mortal da igreja: “Como corvos, reunimo-nos em torno da carcaça da graça barata. Dela, absorvemos o veneno que matou os seguidores de Jesus”. É também “a graça que concedemos a nós mesmos”. Funciona como um passe que permite ao cristão viver da mesma maneira que antes. A vida sob a “graça barata”, de fato, não difere da vida sob o pecado; a pessoa não segue a Cristo, porque a “graça barata” justifica o pecado sem transformar o pecador.

A justificação é um dom da graça, mas não é um dom que isenta os cristãos da responsabilidade. Pelo contrário, a libertação do pecado por meio da graça (que custa muito) possibilita a capacidade de seguir a Cristo.

Texto originalmente publicado em Bonhoeffer para Todos, de Stephen R. Haynes (Ultimato, 2020).

 

QUANDO A GRAÇA [NÃO] BASTA | REVISTA ULTIMATO

A polarização e rusgas entre evangélicos em torno da graça não tem fim. Ultimato quer contribuir para uma compreensão mais ampla da graça de Deus, que se manifesta na vida pessoal, na comunidade dos crentes e na sociedade.

É disso que trata a matéria de capa da edição de novembro-dezembro da revista Ultimato. Para assinar, clique aqui.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *