O nosso convidado da vez em “Na Varanda com o Autor” é pastor na Igreja Presbiteriana Independente do Estreito em Florianópolis (SC), gosta de surfar, caminhar e jardinar, é mestre em Missiologia e doutor em Estudos Interculturais.

Ele também é autor do nosso lançamento, O que é Igreja Missional?, que aborda os modelos e exemplos bíblicos que podemos aplicar à nossa realidade. Confira nosso papo com Timóteo Carriker:

Ultimato – Alguma pessoa ou livro, em especial, influenciou sua aproximação da leitura e da escrita?

Timóteo – Não foi nenhuma pessoa ou leitura em si, mas a necessidade da formação que me levou a leitura, pois o seminário que cursei exigia uma média de 2.000 páginas de leitura por disciplina (passava de 8 a 10 horas por dia só lendo!) e o ministério me levou a escrever. Nunca imaginei isto como uma vocação minha. Eu queria mesmo era ser um biólogo marinho e passar a vida no mar. Deus tinha outros planos, embora eu ainda curta muito o mar. Mas quando adolescente li alguns livros de aventura que me influenciaram, sobre Daniel Boone, Davie Crocket e Robinson Crusoé.

Quando a inspiração para escrever não vem…

Considero que meus melhores escritos foram feitos nos momentos mais difíceis e menos inspirados da minha vida… quando era obrigado a depender somente de Deus. É o caso da “Visão Missionária da Bíblia”. Quando estava esmagado, emocionalmente mesmo, não conseguia escrever nada. Daí resolvi traduzir a Bíblia, algo mais “mecânico”. Traduzi Efésios e Filipenses, mas parei por aí e nunca procurei publicar.

O que os adultos devem ler para as crianças?

Com certeza as Crônicas de Nárnia e as histórias de C.S. Lewis. Também as histórias da Bíblia, como as do livro de Juízes.

Que conselho você gostaria de ter recebido na sua juventude?

Não abra nenhuma brecha nos seus princípios cristãos.

Como você lida com o envelhecer?

Aumentei muito as minhas atividades físicas (caminhadas de 8 a 14km, bike, surf e trilhas). Há 3 anos e meio mudei os hábitos alimentares, aprendi a realmente apreciar a criação de Deus e procuro gastar tempo sozinho com Deus, por exemplo, nas trilhas. Ainda preciso aprender melhor a dizer “não, obrigado”.

O que mais o anima e o que mais o incomoda no meio evangélico?

O que mais me anima é ver um movimento do Espírito nascer e crescer, como o movimento missionário brasileiro nos últimos 40 anos, o ministério de Ultimato nesses 50 anos, e, no mês passado, o possível nascente de um movimento missionário na Angola.

O que mais me incomoda e entristece é uma escatologia e cosmovisão que, na prática – e muitas vezes até no discurso -, exclui a criação material de Deus. Neste sentido, os escritos de Tom (N.T.) Wright durante os últimos 30 anos têm me inspirado e corrigido tremendamente.

  1. Gostaria de saber se temos algum material escrito ou vídeos (em português) do autor N.T. Wright citado pelo nosso irmão Timóteo Carriker. (Tenho interesse).

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *