Livro da Semana  | Contando e Cantando – Conhecendo as Histórias de Hinos Cristãos

 

Muitas adaptações musicais têm sido feitas para “Pequena Vila de Belém”.  A tradução para o português data de 1930.

 

Pequena vila de Belém” é a tradução portuguesa do apreciado e tão divulgado hino americano “O little town of Bethlehem”, escrito por Filipe Brooks para uso da Escola Dominical da sua igreja, no Natal de 1868.

Nascido em piedoso lar cristão onde o culto doméstico era reverentemente realizado todo dia, e onde as crianças eram incentivadas a decorar os belos hinos de louvor a Deus, tão numerosos e tão largamente usados no seio das igrejas evangélicas, Brooks, ao ingressar na escola, já sabia de cor duzentos hinos. Esse ambiente favorável desenvolveu-lhe harmoniosamente os dotes poéticos com que o berço o dotara e, embora não se tivesse dedicado à poesia, antes de coração se votasse à carreira eclesiástica e se tornasse notável orador sacro, veio a ser mais conhecido por este singelo, mas expressivo hino do Natal do que por todos os alentados volumes de esplêndidos sermões que deixou.

De ascendência puritana por ambos os lados, nasceu em Boston, Massachusetts, Estados Unidos, em 1835; graduou-se pela Universidade de Harvard, em 1855, e pelo Seminário Episcopal de Alexandria, Virgínia. Ordenado em 1859, exerceu o pastorado sucessivamente em Filadélfia e Boston e, em 1891, depois de ter recusado o cargo de pregador em Harvard, foi eleito bispo de Massachusetts. Nunca se casou. Faleceu em Boston em 1893.

De grande valor moral, possuindo nobreza de coração, amava sobremodo as crianças, para as quais tinha sempre reservas de brinquedos em seu gabinete de trabalho. Quando faleceu, uma mãe disse à filhinha de 5 anos: “O bispo Brooks foi para o céu”. “Ó mamãe” – respondeu a pequenita – “como os anjos vão ficar contentes!”

Filipe Brooks, quando ainda pastor em Filadélfia, teve um ano de férias e estanciou em vários países da Europa e foi à Palestina, onde passou o Natal de 1865. Viajando a cavalo de Jerusalém a Belém na noite de 24 de dezembro, contemplou a pequena cidade em sua quietude e pensou na noite maravilhosa do primeiro Natal, em que a milícia celeste anunciou aos pastores o nascimento de Cristo. Percorreu o mesmo campo em que, segundo a tradição, os pastores viram a glória de Deus e assistiu ao serviço da meia-noite na igreja da Natividade, em Belém, construída no local onde se supõe ter nascido Jesus. Jamais pôde esquecer as impressões dessa noite sublime.

Poucos anos mais tarde, em 1868, já regresso aos Estados Unidos, escreveu para a Escola Dominical de sua igreja, em Filadélfia, inspirado nessas recordações, um dos mais delicados cânticos de Natal que existem em língua inglesa, “O little town of Bethlehem”, e pediu a Luís Henrique Redner, seu organista, para compor-lhe a música. Embora se aplicasse ao trabalho, Redner viu passar a semana inteira sem conseguir escrever música adequada. E a véspera do Natal chegou sem que sequer a melodia estivesse esboçada. Alta noite, porém, Redner acordou com angélica melodia soando-lhe aos ouvidos. Levantou-se com presteza e anotou-a: harmonizou-a pela manhã, terminando o trabalho justo em tempo para que as crianças a cantassem na manhã do Natal de 1868. Redner sempre dizia que essa música tinha sido um presente do céu. Entretanto, nem Brooks nem Redner imaginaram que o hino sobrevivesse a essa festa do Natal. Impresso em folhas avulsas, por algum tempo passou por anônimo; começou a ser divulgado em 1874, quando o incluíram num livro de hinos para a Escola Dominical. Hoje é encontrado em várias coleções e se acha traduzido em diferentes línguas.

Muitas adaptações musicais têm sido feitas para o hino de Brooks, mas sua música legítima, com a qual se celebrizou e que para ele foi especialmente escrita, é essa de Luís Henrique Redner, organista da igreja de Brooks, diretor do coro, superintendente e professor da sua Escola Dominical.

Sua tradução portuguesa, “Pequena vila de Belém”, data de 1930. Foi feita pelo rev. Salomão Ferraz para figurar no hinário Aleluias!. Consta em Salmos e Hinos sob o número 81. A letra é a seguinte:

Pequena vila de Belém,
Repousa em teu dormir,
Enquanto os astros lá no céu
Estão a refulgir.
Porém nas tuas trevas
Resplende a eterna luz,
Incomparável, divinal:
– Nasceu o bom Jesus!

Da Virgem Mãe nasceu Jesus!
Vós, anjos, dai a Deus
Louvor, e aos homens proclamai
As novas lá dos céus.
Estrelas matutinas,
Em vosso resplendor,
Vibrando os ares, publicai
De Deus o eterno amor!

O dom glorioso, divinal,
Nenhum alarde faz.
Assim aos homens o Senhor
Concede graça e paz.
Sereno e muito humilde,
Vem ele ao mundo, assim
Trazendo a todos redenção,
Mostrando amor sem fim.

Ó santo Infante de Belém,
Em nossos corações
Habita, e dá-nos entrever
Celestiais visões.
Nos céus proclamam anjos
De Deus o amor fiel.
Oh! Vem, Senhor, em nós morar,
Eterno Emanuel!

• Trecho retirado do livro Contando e Cantando – Conhecendo as Histórias de Hinos Cristãos, de Henriqueta Rosa F. Braga  (Editora Ultimato).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>