Conteúdo extra oferecido como “Mais na Internet” na revista Ultimato, edição #367.

Por Ari Käfer

Em 1979, ingressei no internato da Escola Evangélica de Ivoti, RS, hoje Instituto de Educação Ivoti. Lá, tive a oportunidade de aprender a tocar instrumentos de sopro. Enquanto estive na faculdade de teologia, na EST, em São Leopoldo, RS, de 1982 a 1987, participei de encontros de coros de metais, antes de ser fundada a Obra Missionária Acordai.         

A Obra Missionária de Metais Acordai foi fundada em 1989. O primeiro presidente foi o pastor Johann Friedrich Genthner. Em 2007, eu o sucedi e permaneci na presidência até 2015, quando foi eleito o novo conselho administrativo, cujo presidente é o senhor Marcos Petri.

Ao longo da minha vida pastoral, dei aulas de instrumentos de sopro e criei coros de metais nas paróquias onde atuei. Sempre me empenhei em cativar crianças e adolescentes para essa missão. Outro enfoque é a motivação da participação feminina, pois no passado os coros de metais eram compostos majoritariamente por homens. Pela graça de Deus, pude deixar coros de metais nas paróquias de Mercedes, PR, Schroeder, SC, Blumenau, SC, Capela de Santana, RS, e agora temos um grupo motivado em Pinhão, PR, e outro em Colônia Cachoeira, PR.

Ensinar música forma cidadãos e cristãos com valores hoje raros na sociedade: eles aprendem a serenar o seu interior, a se concentrar, a acreditar que são capazes, a se inserir num grupo e ter paciência até que todos consigam executar determinada música, a cultivar comunhão e a fortificar a sua fé. Enfim, esse ministério tem o potencial de formar seres humanos melhores, íntegros e bem-intencionados. Ao longo do tempo, aprendi que esses valores também impregnam aqueles que fazem aulas de música, mas por algum motivo desistem. Já encontrei muitos ex-alunos anos mais tarde e eles falaram do grande benefício que obtiveram para a sua vida de fé e na formação de conceitos e valores, graças à experiência de caminhada de desafios e de diálogos.

Por todos esses motivos, alegro-me muito com o fato de que as igrejas, no Brasil, proporcionam formação musical às pessoas. Por outro lado, sou defensor do ensino de música nas escolas públicas do país. Afinal, todos os países desenvolvidos somente alcançaram o desenvolvimento depois de investirem por um longo tempo na formação humana: nas artes, na filosofia e na sociologia. A música é, sem dúvida, uma ferramenta a serviço do desenvolvimento integral das pessoas. Martinho Lutero escreveu: “Onde se canta ali te assenta. As pessoas más não têm música”.

• Ari Käfer é pastor e músico.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *