Em agosto vamos contar histórias no Portal.

“A estrebaria em Belém”, Christina Balit.

E, é bom lembrar, boa parte das Escrituras Sagradas são narrativas, são histórias. Em Salvos da Perfeição somos lembrados que a Bíblia é contação de histórias não apenas por opção de estilo, mas porque é Palavra de Deus e não Palavra sobre Deus.

Vamos contar histórias sobre Deus, sobre Jesus. E, claro, as nossas histórias se misturam às histórias do povo de Deus, quando Deus entra na nossa história.

Vamos contar histórias de gente pequena, gente jovem, gente de mais idade, gente que viveu no passado, gente simples e desconhecida e gente muito conhecida. De muitos lugares. Histórias que acontecem no ambiente da igreja, no ambiente profissional, no consultório, na academia, na estrada, na comunidade.

Para Elienai Cabral, se a Bíblia fosse uma teologia organizada para definir Deus e seus propósitos, seria apenas um desafio teórico, que diria respeito a nossa racionalidade. Mas, a Bíblia é narrativa, ou seja, feita de histórias. É Deus entre nós. É Deus caminhando ao nosso lado.

Confira a nossa primeira história do mês: Quem tem medo da Morte?

  1. Sandro Cardoso Mendes

    Teologia é aquilo que fazemos com as “histórias” descritas na Bíblia. Teologia é o que fazemos com a narrativa bíblica. Se a Bíblia não é tratado de Teologia mas contação de histórias, cuidado para que o Livro Sagrado de Deus não se torne um velho livro empoeirado na estante da sala, no máximo aberto no Salmo 91, como se servisse apenas como um amuleto, já que é apenas “história”… e “história” das antigas, e põe antiga nisso, a “história” mais nova naquele Livro tem dois milênios e lá vai pedrada.

    “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja corretamente a palavra da verdade.” 2 Timóteo 2:15
    “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça,
    para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.” 2 Timóteo 3:16,17

    Deus não é um senhor bonachão, com longas barbas brancas, sentado num velho trono e… contador de “histórias”, e que em algum ponto do tempo decidiu colocar tais “histórias” num livro… Temos na Bíblia, através de todos os estilos literários que compõem as sagradas letras, a radiografia do homem e de seu relacionamento, primeiro para com o próprio Deus, e em seguida, para com os da própria espécie. A Teologia é o estudo de Deus, mas como não podemos “estudar” o próprio Deus, só nos resta a Sua Palavra revelada e a diferença é que tal estudo é sobrenatural, porque depende 100% do Espírito de Deus para que haja ensino, apreensão e efetiva prática. Na Teologia estudamos a natureza e o caráter de Deus e o relacionamento do homem em queda e rebelde ao senhorio de Cristo. Tratado de Teologia ou uma baita contação de histórias? Como estou finalizando o bacharelado em Teologia e assim como Esdras, quero aprender tudo o que puder “sobre” e “de” Deus e mais do que conhecê-lo racionalmente, ter de fato um relacionamento com Ele, prefiro Teologia mesmo. Se as “histórias” da Bíblia nos diz mais em termos ralacionais e pessoais, porque não a “racionalidade”? Será que somos seres pessoais e relacionais sem qualquer traço de racionalidade? Não! Somos imagem e semelhança de um Deus pessoal, relacional e extremamente racional, é só olhar para a criação e não restará dúvidas quanto a isso, como diz Paulo aos irmãos em Roma. Com a devida vênia ao Elienai Cabral Junior, e com respeito, fazemos teologia exatamente quando nos propomos a organizar e “tentar” definir Deus e seus propósitos e isso não pode ser somente um desafio teórico, senão será uma teologia vazia, mas um desafio prático, de fazer com toda a sistemática, toda doutrina, toda a apreensão e estudo da Palavra permeie o cotidiano da vida, em todo o tempo e o tempo todo, com Deus, consigo próprio e com o próximo.

    Se Deus pode ser “conhecido”, a Teologia pode ser uma ciência, pois “conhecimento” é a essência da verdadeira ciência e por óbvio, como bem disse o Dr Augustus Nicodemus, a teologia é “aberta”, pois é uma tentativa, humana e falível, de sistematizar as verdades eternas reveladas por Deus nas Escrituras. Na perspectiva de se a Bíblia é um livro de história e portanto estudar História para melhor lidar com o livro de Deus seria o melhor, prefiro pensar que este livro de histórias é antes de tudo o livro de Deus, portanto, estudar Teologia é que seria o melhor e mais adequado. Estudamos a revelação de Deus contida nas sagradas letras… isso é muito mais théos do que simples história. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>