Por Stela Câmara Dubois

A gratidão é a flor desabrochada
quando tudo é secura na colina.
É o suave tom da abóboda estrelada,
enquanto a noite às trevas se destina.

A gratidão não pode ser comprada.
A riqueza a seus pés é pequenina.
Qual boa mãe no lar, mestra inspirada,
a lição mais perfeita nos ensina.

Vede-a com sangue, escrita numa cruz!
A gratidão somente amor produz,
por isso põe os céus no coração!

Oh! Que me falte o amparo nos escolhos,
falte-me o pão e a luz dos próprios olhos,
PORÉM, NUNCA ME FALTE A GRATIDÃO!

Texto retirado de Antologia de Poetas Evangélicos, organizado por Ebenézer S. Ferreira.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *