Leia o relato de uma cristã do Norte da África, vítima de perseguição, e que conheceu o Brasil

 

Cheguei em São Paulo (SP) numa manhã fria, dia nublado e cinza. O abraço dos que me esperavam aqueceu meu coração e me abriu os olhos para começar a desvendar a beleza desse país lindo e receber o carinho de sua gente preciosa.

O Brasil já havia chegado ao meu coração antes de eu chegar aqui. As dores e alegrias compartilhadas com irmãs e irmãos dessa terra já me haviam contado uma história  bonita desse lugar antes que eu pudesse mesmo pensar em conhecê-lo. Deus em sua graça já nos havia unido em um propósito maior.

É do Norte da África que eu venho, de um país cheio de histórias, marcado por diferentes civilizações e culturas. Eu trouxe no coração a brisa do mediterrâneo e o silêncio do deserto e uma história de vida marcada pela alegria da salvação, mas também pelas pressões das perseguições. Sei que não sou vítima dessas circunstâncias, mas filha amada que tem o privilégio, não apenas de crer, mas também de sofrer se necessário for.

Agradeço a Deus pela oportunidade  maravilhosa que tive de  participar  do 7º Congresso Brasileiro de Missões (CBM). Aqui experimentei a hospitalidade sem hora marcada, a generosidade do sorriso aberto e do abraço apertado que me fizeram sentir-me em casa já no primeiro instante.

Os  momentos de reflexão, de exposição da Palavra de Deus e da  intercessão causaram grande impacto em mim. A qualidade e a profundidade com as quais o texto bíblico foi exposto tocaram meu coração e me encheram de esperança ao ver gente muito capaz e preparada falar  com humildade e temor, reconhecendo sua dependência de Deus.

O CBM foi, com certeza, um marco em minha vida, senti  de forma concreta e viva que somos companheiros de fé e da caminhada. Em nenhum momento me senti  apenas um número ou estatística. Em todo tempo me senti amada e acolhida nesse abraço terno do povo de Deus.

Obrigada a todos que me receberam com tanta ternura e afeto. Com certeza, retornarei ao meu país mais enriquecida, mais animada, mais esperançosa. Sei que não estou sozinha, que há irmãos e irmãs comprometidos com a nossa realidade, com o nosso povo. Uma vez mais experimentei alegria maravilhosa de ser parte da Igreja de Cristo, que vai além de todas as barreiras e de todos os limites, sem donos e sem proprietários.

Recebam minha  profunda gratidão e, por favor, não se esqueçam de nós e nem  deixem de olhar  para os nossos  campos brancos e sofrido.

S. D (irmã do Norte da África)

***

LEIA TAMBÉM
Sangue, Sofrimento e Fé

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *