Sim, eu assumo. Sou uma procrastinadora. Esse texto, por exemplo, era para ter sido escrito há, pelo menos, dois dias. Adiei, na esperança de que meu colega de trabalho, Lissânder Dias, o escrevesse e, assim, eu pudesse dar prioridade a tantas outras tarefas que ocupam a minha longa lista de afazeres.

As desculpas para o atraso na publicação de um texto tão simples são muitas: tarefas “mais importantes”, desconcentração pelo barulho na redação, procedimentos internos, chats, notícias que chamaram a atenção… Mas a verdade é que não sei estabelecer prioridades e, por isso, trabalho como uma “apagadora de incêndios”: quando uma coisa não pode mais ser postergada, eu vou lá e faço, sob pena de a coisa “pegar fogo” de verdade.

Apesar de tudo ter andado relativamente bem assim, posso dizer que a minha saúde “diária”, isto é, a minha sensação cotidiana, não é das melhores. A aproximação de certos prazos me deixa louca e me proporciona algumas horas de intensa afobação – e até algumas horas extras. No fim da semana, estou exausta, apesar de não poder contabilizar muitas tarefas cumpridas. Pulei de atividade em atividade sem concluí-las, até acabar minha bateria. E o pior de tudo é que prossigo fazendo várias outras coisas, mesmo sem ânimo.

Por tudo isso, posso dizer que o lançamento de julho da Editora está mexendo comigo: Livres da Tirania da Urgência sabe que somos pressionados a incluir cada vez mais tarefas num dia que tem um número imutável de horas. Horas que seguem seus cursos a mercê do que pretendemos com elas. E sabe o que é mais irônico? Eu sei disso pela boca das outras pessoas, pois ainda não tive tempo para lê-lo!

Pretendo mudar isso. A convite da Editora Ultimato, estamos todos convocados a repensar porque excluímos o tempo – ou a administração dele – do senhorio de Cristo. Artigos, frases e meditações a respeito disso estão sendo publicadas nos nossos veículos, e mais do que aprender com eles, quero transformá-los em ações práticas.

O convite que fica é que você também repense quem é o Senhor do seu tempo. Mande um texto, mesmo que curto, sobre como você tem lidado com o tempo. Escreva-nos pelo e-mail (ultimatoonline@ultimato.com.br) ou envie sua mensagem pelo Twitter: basta colocar a hashtag #livresdourgente

Aqui no blog, vamos aproveitar a oportunidade para recuperar algumas canções que tratam desse “mano velho” que “zune como um sedan”: a primeira escolhida é Sobre o Tempo, do Pato Fu. Para isso, criamos a seção “Cantando o Tempo”, e você também pode enviar sugestões de músicas relacionadas ao assunto para o nosso e-mail.

 

___________

Pabline Felix tem 23 anos, é jornalista formada pela UFMG e trabalha na editoria Web de Ultimato há dois meses.

Sou uma procrastinadora. E você?

Sim, eu assumo. Sou uma procrastinadora. Esse texto, por exemplo, era para ter sido escrito há, pelo menos, dois dias. Adiei, na esperança de que meu colega de trabalho, Lissânder Dias, o escrevesse e, assim, eu pudesse dar prioridade a tantas outras tarefas que ocupam a minha longa lista de afazeres.

As desculpas para o atraso na publicação de um texto tão simples são muitas: tarefas “mais importantes”, desconcentração pelo barulho na redação, procedimentos internos, chats, notícias que chamaram a atenção… Mas a verdade é que não sei estabelecer prioridades e, por isso, trabalho como uma “apagadora de incêndios”: quando uma coisa não pode mais ser postergada, eu vou lá e faço, sob pena da coisa “pegar fogo” de verdade.

Apesar de tudo ter andado relativamente bem assim, posso dizer que a minha saúde “diária”, isto é, a minha sensação cotidiana, não é das melhores. A aproximação de certos prazos me deixa louca e me proporciona algumas horas de intensa afobação – e até algumas horas extras. No fim da semana, estou exausta, apesar de não poder contabilizar muitas tarefas cumpridas. Pulei de atividade em atividade sem concluí-las, até acabar minha bateria. E o pior de tudo é que prossigo fazendo várias outras coisas, mesmo sem ânimo.

Por tudo isso, posso dizer que o lançamento de julho da Editora está mexendo comigo: “Livres da Tirania da Urgência” sabe que somos pressionados a incluir cada vez mais tarefas num dia que tem um número imutável de horas. Horas que seguem seus cursos a mercê do que pretendemos com elas. E sabe o que é mais irônico? Eu sei disso pela boca das outras pessoas, pois ainda não tive tempo para lê-lo!

Pretendo mudar isso. A convite da Editora Ultimato, estamos todos convocados a repensar porque excluímos o tempo – ou a administração dele – do senhorio de Cristo. Artigos, frases e meditações a respeito disso estão sendo publicadas nos nossos veículos, e mais do que aprender com eles, quero transformá-los em ações práticas.

O convite que fica é que você também repense quem é o Senhor do seu tempo. Mande um texto, mesmo que curto, sobre como você tem lidado com o tempo . Escreva-nos pelo e-mail (ultimatoonline@ultimato.com.br) ou envie sua mensagem pelo Twitter: basta colocar a hashtag #livresdourgente

Aqui no blog, vamos aproveitar a oportunidade para recuperar algumas canções que tratam desse “mano velho” que “zune como um sedan”: a primeira escolhida é Sobre o Tempo, do Pato Fu.

__________

Pabline Felix tem 23 anos, é jornalista formada pela UFMG e trabalha na editoria Web de Ultimato há dois meses.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *