Igreja em São Paulo (Metodista Livre da Saúde) inaugurou recentemente o “Hospital das Orquídeas”, um orquidário na propriedade da igreja para recuperar plantas abandonadas e salvar as que iriam para o lixo. O “médico” responsável pelas plantas é o botânico Sergio Oyama Junior, que compartilha seu amor pelas orquídeas em seu blog pessoal Orquídeas no Apê.

Há quem pense que essas plantas morrem quando a flor seca, o que não é verdade. Em SP é muito comum encontrar vasos de orquídeas no lixo. Recentemente nossa diretora executiva Andrea Ramos confirmou tal fato encontrando no lixo de seu prédio uma orquídea abandonada. Andrea não pensou duas vezes em resgatá-la, bastou colocar a orquídea na sacada para receber luz indireta e regá-la algumas vezes para ela agradecer os cuidados com lindas flores (foto ao lado).

Ao contrário do que muita gente pensa, não precisa ser um expert em orquídeas para cultivar uma em casa. Uma das grandes dúvidas e também causa de muitas mortes das plantas é a rega. Abaixo compartilharmos as dicas retiradas do site da Associação Orquidófila de São Paulo:

Quando devo Molhar?
Ouvimos com frequência esta pergunta e a resposta é infinitamente relativa. Se uma orquídea está plantada em substrato com pó, a rega pode ser semanal, mas, se estiver plantada em piaçaba ou casca de madeira, a rega deve ser diária. Quando se compra um vaso de orquídea, é útil verificar qual o substrato (material) em que está plantada, pois, dependendo dele, a secagem pode ser rápida ou lenta.

Os substratos mais comuns são:
1. Fibra de coco com pó: secagem lenta.
2. Fibra de coco sem pó: secagem moderada.
3. Musgo ou cubos de coxim: secagem moderada.
4. Carvão ou piaçaba: secagem rápida.
5. Casca de pínus: secagem moderada, quando sem pó, e lenta, se tiver pó.
6. Mistura de grãos de isopor, casca de pínus e carvão: secagem rápida.
7. Casca ou tronco de madeira: secagem super rápida.

A melhor maneira de regar é imergir o vaso num recipiente com água e deixar por alguns minutos. Se você molhar com um regador um vaso ressecado,pode ocorrer de a água encontrar um canal por onde escorrer e o resto do substrato continuar totalmente seco. Um meio de verificar a umidade do vaso é aprender a sentir o peso, segurando com as mãos, ou através de um exame visual. Não use a mesma água em que foi mergulhado um vaso, para outro, pois, se no primeiro houver fungos nocivos à planta, o outro vaso irá se contaminar.

Igreja Metodista Livre da Saúde (IMEL): R. Veriano Pereira, 40 – Vila da Saúde, São Paulo, SP.

Foto: Andrea Ramos.