Talvez ele não esteja entre os melhores filmes que assisti nos últimos meses. Porém, fui atraído pelo clima pós-apocalíptico mostrado no trailer. Sou fã dessas histórias que imaginam a vida após um hipotético holocausto nuclear.

“O exterminador do futuro” é um bom exemplo. Acabou virando uma trilogia. Talvez “O livro de Eli” não tenha fôlego para tanto. Mas traz, quase escondida, uma mensagem interessante: o poder “civilizador” de certo livro.

Eli (Denzel Washington) é um guerreiro andarilho que cruza a paisagem devastada da América do Norte, percorrendo estradas dominadas por gangues que matam as pessoas por um copo d’água ou por sapatos. Cenas de barbárie e selvageria: hordas de seres moribundos ou mutantes que pilham tudo o que encontram de valor e lutam entre si para sobreviver. Impera a lei do mais forte.

Em seu obstinado percurso, nosso herói esconde um livro que carrega consigo. O livro é tido, ao longo do enredo, como a esperança de um futuro para a humanidade; Eli o lê, diariamente, há trinta anos. Movido por seu compromisso e guiado pela crença em algo maior do que ele, Eli faz o que é preciso para sobreviver e seguir adiante. Sabe-se que o próprio Denzel desempenhou as façanhas físicas de seu personagem, dispensando dublês. A fotografia é muito boa; meio escurecida para combinar com a história.

Nesse ambiente, o vilão maior, Carnegie (Gary Oldman), chefe de uma cidadela de ladrões e pistoleiros, surge como alguém que compreende o poder do livro que Eli carrega e que fará de tudo para se apoderar dele.

Eis um bom comentário que encontrei na internet: “No começo, o roteiro atrai pela excentricidade desse futuro pós-apocalíptico; depois, o espectador é agarrado pela rivalidade criada entre o protagonista e o vilão. Mais para o final, há uma grande surpresa que fará alguns quererem assistir novamente ao filme”. Vou parar por aqui, para não ser estraga-festa.

Não é preciso fazer uma leitura teológica da história. Ela mesma se apresenta escatológica. Só o fato de o personagem principal se chamar Eli e transportar o que, no final do filme, se confirmará como sendo o último exemplar da Bíblia, já diz tudo. É interessante, no entanto, a percepção do vilão de que o livro conteria uma mensagem capaz de reerguer a humanidade aos níveis civilizatórios perdidos. Nele estariam escritas as palavras necessárias para tirar os homens da obscuridade moral e do caos social em que foram lançados. Carnegie pretende usar as palavras mágicas para tornar-se inaugurador de uma nova raça humana e reorganizar — em seu proveito — os sobreviventes da catástrofe mundial.

Detalhes finais: lendo o livro todos os dias, por trinta anos, Eli conseguiu decorá-lo. Será que o autor está pontuando sobre o valor da memorização bíblica? O filme termina com a recriação das circunstâncias em que Gutenberg imprime seu primeiro livro. Claro, o livro de Eli.

Saí do cinema com um versículo na cabeça: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho” (Sl 119.105). Amém.

Ponto Final

  1. Oi Rubem!!

    Vi o filme e amei! Realmente, quando termina, dá vontade de ver novamente… e ainda o verei! Assisti o filme sem saber nada da sinopse (gosto de fazer isso para não ser influenciada pelo enredo já esperado).
    Mas sinceramente, creio que a intenção do filme não foi mostrar a capacidade de memória de Eli, mas sim a importância do poder desse livro na humidade. É poderoso para quem o lê e por isso o desespero do vilão em tomá-lo de Eli para ter o poder com ele… e não ter o seu poder ameaçado pela sabedoria e conhecimento do povo. O que mais me tocou foi isso…
    Beijos e parabéns pelo site!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *